Sobre a Matone

A história da Matone Tijolos tem sua origem igual a história de tantas cerâmicas e olarias, de nosso pais. De base familiar, teve seu inicio com o “Patriarca” Sr Orfeu Bandechi, de descendência Italiana, Teve com sua esposa Eulália Benedita de Souza, onze filhos, que com muitas dificuldades próprias da época, transmitiu a sua família seus valores, como responsabilidade, simplicidade e amor ao trabalho. Viviam do plantio de culturas tradicionais no sitio que herdou do sogro, Sr João de Souza o conhecido “Juca”. Porém como pequeno produtor em um tempo com muitas limitações, plantava-se para o consumo da família, dinheiro não se via, a não ser na época das colheitas, isso se o clima ajudasse, se não tivessem geadas, chuvas fortes... Enfim o Sr Orfeu com os filhos mais velhos, Benedito e Romeu resolveram fazer uma tentativa e mudar de ramo, não mudar radicalmente mas ter uma atividade que complementasse a renda da família e que não precisasse esperar todo um ciclo como das plantações e a atividade escolhida foi a “Olaria”, isto foi pelos anos de 1965, no começo tudo era muito rudimentar, as pipas (mecanismo onde se processa a argila) eram virados a força animal em pares de burros, o barro era extraído da próprio sitio no bairro do Cai em Cabreúva, transportado em carroças, os tijolos eram moldados um a um em formas de madeira, e dispostos a céu aberto para secarem, fazia-se esteiras de sapé para cobrir e não ter muitas perdas por trincas com o sol, depois de alguns dias os tijolos eram dispostos em fornos rudimentares chamados na época de caieira.

A primeira Olaria ainda foi administrada pelo “Vô Orfeu” e se chamou Olaria São Faustino, uma homenagem a um Padre que cuidou dele no tempo em que viveu no Orfanato, pois ficou órfão em seu nascimento. Em 1974 passou a administração aos filhos, então passou a ser denominada Olaria Irmãos Bandechi, usando as iniciais O.I.B no carimbo do tijolo como é o costume até hoje como forma de gravar o nome da empresa, posteriormente Olaria Bandechi, O.B, depois Olaria Bandechi Ltda, O.B.L como é ate hoje, porém usando o nome de fantasia Matone Tijolos, fazendo um trocadilho com a palavra matone que em Italiano significa tijolo.

Hoje a Matone tijolos esta na terceira geração, administrada juntamente por José Bandechi, o mais novo dos filhos do Sr Orfeu e por Hilário Bandechi, neto do Sr Orfeu.

Tem uma produção mensal de 120.000 pçs de tijolos aparente e capacidade para atender todo o Brasil, embora o processo e o produto final seja um produto artesanal, e de boa aceitação e muito solicitado por arquitetos, engenheiros e construtoras incluem em seus projetos um produto, artesanal om possibilidade de ser personalizado, que conferem a espaços comerciais e residenciais conforto térmico e acústico, O Tijolo cerâmico consegue ainda em seu processo produtivo provocar impactos ambientais minimizados, devido a seu ciclo de vida útil ser longo, usando pouca agua em suas formulações, e extraindo argilas em parcerias com mineradores locais como portos de areia devidamente licenciados, minimizando impactos ambientais e usando em seus fornos madeiras proveniente de projetos de reflorestamento próprio e com parceiros locais, è o compromisso da Matone Tijolos com a sustentabilidade e preservação do meio ambiente.